«

»

Imprimir Post

Puberdade Precoce

Puberdade Precoce. Quando é muito cedo?

  • “Em todo o mundo, tem se observado que as crianças estão começando a puberdade cada vez mais cedo. Isso pode ser um processo natural e que não implica em problemas de saúde ou risco de parar de crescer ou ficar muito baixinho. Na verdade, as gerações mais novas estão cada vez mais altas que a dos pais e avós, apesar de entrarem em puberdade mais cedo. Por isso a dificuldade de saber quem realmente está apresentando sinais de puberdade precoce ou não.
  • Existem vários fatores que podem ter influenciado essas mudanças. A obesidade infantil,  por exemplo, pois a gordura é necessária para produção de hormônios sexuais, e parece “antecipar” esse processo. Outros fatores determinantes são os “disruptores endócrinos”, maior número de recém-nascidos PIGs (pequenos para idade gestacional), além das influências ambientais e maior exposição a hormônios.”

O que é Puberdade Precoce (PP)?

  • É quando a puberdade se inicia antes dos 8 anos, nas meninas ; e antes dos 9 anos, nos meninos, devido à produção “antes da hora” dos hormônios sexuais (testosterona e estrogênio)
  • Existem 2 tipos de puberdade precoce de acordo com a sua origem/causa: central ou periférica.

O que é PP Central?

  • De origem central (no cérebro). Isto significa que há uma alteração na secreção do hormônio liberador das gonadotrofinas (LHRH), produzido no hipotálamo, que ativa o eixo hormonal e estimula a hipófise a estimular os ovários (nas meninas) e testículos (nos meninos). Inicia-se, então, a produção “fora de hora” dos hormônios estrogênio (pelos ovários) e testosterona (pelos testículos). Essa liberação precoce pode ter várias causa (ex. tumor), mas na maioria das vezes é dita idiopática (desconhecida). 

O que é PP Periférica?

  • Na puberdade de origem periférica ocorre o aumento dos níveis de estrogênio ou testosterona de causa fora do cérebro. Por exemplo: tumor de ovários/testículos, testotoxicose, hiperplasias congênita de suprarrenais, tumores de suprarrenais (adrenais).

Que tipo de PP é mais comum?

  • Nas meninas, a PP CENTRAL é mais comum (90% dos casos), predominando o tipo idiopático, ou seja, sem uma causa conhecida. Sabe-se que as meninas com baixo peso ao nascimento, adotadas, obesas ou expostas a substâncias químicas que alteram os estrogênios (endocrine-disrupting), apresentam um risco de 10 a 20 vezes maior para desenvolver puberdade precoce.
  • Nos meninos, as causas “orgânicas (doenças)” são mais comuns (mais da metade dos casos), sejam elas centrais ou puberais.  Entre elas, os tumores cerebrais, de testículo ou de glândula adrenal.

Porque Devemos Tratar a Puberdade Precoce?

  • Essencialmente por dois motivos:

    • Para melhorar a altura final, pois na puberdade precoce há uma maturação óssea acelerada no iníco, com parada precoce do crescimento, que geralmente leva a baixa estatura.
    • Para evitar transtornos psicológicos e de comportamento associados ao desenvolvimento sexual precoce e incompatível com a idade mental, inclusive abuso sexual e gravidez precoce. 

“Puberdade Precoce: QuemTratar? E como?”.

  • Não existem critérios absolutos para determinar quem vai se beneficiar com o tratamento. É preciso levar em conta um conjunto de fatores, como exame físico, histórico médico, idade óssea e exames laboratoriais. 
  • Também é preciso diferenciar do quadro normal de ACELERAÇÃO CONSTITUCIONAL DA PUBERDADE. Neste caso, apesar de iniciar cedo, a puberdade evolui mais lentamente e não compromete a altura final da criança.

Quais os sinais clínicos de puberdade precoce?

  • Nas meninas: os pais costumam perceber quando aparece o broto mamário ou presença de pêlos ou odor axilar. Seguido de aumento das mamas, aumento de  pelos pubianos e axilares, odor axilar, crescimento acelerado, além de aumento da oleosidade da pele, espinhas e acne.
  • Nos meninos: os pais costumam perceber quando surgem pelos pubianos e axilares, odor axilar. Pode ocrrer alteração do comportamento com tendência a agressividade, crescimento acelerado, espinhas, acne e alteração no timbre de voz são os principais sintomas.

Como é feito o diagnóstico de puberdade precoce?

  • Através da história clínica, exame físico e exames complementares. É importante lembrar que o diagnóstico é individualizado e os exames são direcionados conforme cada caso.
    Dentre os exames complementares nós temos:

    •  Exames Hormonais (no sangue)
    • TESTE DO LHRH: pode ser necessário fazer um teste de estímulo (com LHRH) para avaliar a resposta puberal (ovários/testículos) ao LHRH, especialmente no início da puberdade.
    • Exames de Imagens: 
      • Idade Óssea (RX mão e punho Esq): previsão de estatura final à estatura alvo;
      • Ultrassonografia pélvica/testicular/adrenal;
      • Tomografia da adrenal/sela túrcica (hipófise)/crânio;
      • Ressonância nuclear magnética de sela túrcica (hipófise)/crânio.

Qual é o tratamento para puberdade precoce?

  • Nos casos idiopáticos de Puberdade Central , o tratamento consiste em usar injeções mensais ou trimestrais (análogos do LHRH) para “bloquear” esse comando do cérebro e interromper o estímulo dos testículos ou ovários a produzir os hormônios sexuais. Com isso, ocorre a regressão e a estabilização dos sinais puberais.
    • A duração do tratamento é determinada por vários fatores, mas geralmente deve ser mantido até 12 a 13 anos de idade óssea.
  • PuberdadePeriférica:depende muito da causa, podendo ser a retirada do tumor em alguns casos; e uso de medicações que bloqueiem a produção e/ou a ação dos esteróides sexuais (estrogênios ou testosterona).

O Que é Hiperplasia de Supra-renal?

É uma das causas de puberdade precoce periférica. Resulta de uma deficiência enzimática na glândula adrenal. Casos mais leves são diagnosticados mais tardiamente. Casos mais graves, em especial na menina, pode resultar em virilização e até alteração da genitália ao nascimento. Veja a seção de DDS (Desordens do Desenvolvimento Sexual).

 

Converse com seu Endocrinologista Pediatra.
O tratamento tardio ou inadequado da Puberdade Precoce (Central ou Periférica)
pode resultar em crianças com “corpo adulto” e “mais baixas” do que o esperado!