«

»

Imprimir Post

Baixa Estatura

“Sempre haverá “baixinhos e altinhos”, senão não existiria as pessoas de altura mediana!”

  • Um dos maiores desafios para o pediatra é a criança ou adolescente que evolui com altura e velocidade de crescimento abaixo do esperado para a idade. Para os pais, uma das formas de se identificar problemas no crescimento é observar quando as roupas e sapatos de uma criança estão durando anos, ou quando ela se torna a mais baixinha da turma da escola. Esses são índices importantes que devem estimular os pais a procurar um médico endocrinologista.
Meu filho tem 6 anos e é o menor da classe. É possível fazê-lo crescer mais?
  • A chave para caracterizar a baixa estatura consiste em medidas seriadas da estatura da criança.O pediatra deve investigar e tratar doenças gerais que possam comprometer o crescimento, e referir os pacientes ao endocrinologista pediatra. Cada caso é um caso, e o médico indicado para avaliação hormonal é o endocrinologista pediátrico. São necessários exames gerais, de imagem e laboratoriais, a fim de excluir algumas doenças, e avaliar se a criança tem deficiência de GH (hormônio de crescimento).

“Qualquer desaceleração ou parada do crescimento representa um sinal de alerta.

SINAIS DE ALERTA >>>> Procure o Endocrinologista Pediatra:

  • Altura: crescimento abaixo do 3o. percentile (p3) ou 2 desvios-padrão abaixo do esperado para a idade e sexo do paciente.
  • Velocidade de Crescimento: baixa ou em desaceleração.
  • Potencial Genético*: altura está mais de 5cm abaixo da altura-alvo.
  • Características sindrômicas ou dismórficas sugestivas de doenças hormonais.
  • Idade Óssea: atrasada mais de 2 anos em relaçao à idade cronológica.

O que significa Idade Óssea?

  • A idade óssea é avaliada através do RX da mão e dos punhos, e serve para indicar o grau de amadurecimento dos ossos, podendo ser diferente da idade cronológica (idade da criança).

É ruim ter idade óssea atrasada ou avançada?

  • A idade óssea reflete a idade biológica da criança, e é normal está um pouco atrasada ou avançada (até 2 anos), desde que sejam avaliados outros fatores que interferem na mesma. Entre eles, podemos citar hormônios da puberdade, doenças hormonais (Ex. tireóide) e doenças crônicas (ex: desnutriçao, asma, etc.). Se você tem baixa estatura, o atraso na IO pode indicar a possibilidade de recuperação do seu potencial de crescimento.

O uso de corticóde prejudica o crescimento?

  • Sim. O uso excessivo e prolongado de corticóides atua diretamente na cartilagem de crescimento, diminuindo sua capacidade de proliferação e formação óssea. Além disso, pode causar osteoporose e outras complicações graves para a saúde da criança.
  • Crianças com história de alergias e outras doenças que podem precisar de tratamento com corticóide (ex. prelone, predsim, prednisona, dexametasona, etc) devem ser acompanhadas por especialista (alergista-pneumologista-reumatologista-dermatologista), preferencialmente pediatra, a fim de tentar tratamentos preventivos para evitar crises e diminuir ao máximo a necessidade de corticóide.

QUAIS SÃO AS CAUSAS DE BAIXA ESTATURA? 
1) Existem Variantes do Normal: Quando ser baixinho é normal!

  • Baixa Estatura Familiar: filhos de pais baixos, com velocidade de crescimento normal e idade óssea compatível com a idade cronológica. Essas crianças iniciam a puberdade no período normal e completam o crescimento com uma altura consistente com sua altura-alvo (potencial genético).
  • Atraso Constitucional do Crescimento e Puberdade: termo usado para descrever uma criança pequena para a idade e com velocidade de crescimento normal. Elas apresentam atraso na idade óssea, e previsão de estatura final adequada para o seu potencial genético. Tipicamente evoluem com atraso no início puberal, o que evidencia mais ainda a diferença com os colegas da mesma idade e com desenvolvimento puberal adequado para idade. É comum casos na família de pai ou tios que tiveram atraso puberal. Por exemplo, “a mãe só teve menarca aos 15 anos; ou o pai só “cresceu” depois dos 15-16 anos”.

2) Doenças Não-Hormonais: nestes casos, o tratamento deve ser da doença de base, e apenas em casos específicos (ex: insuficiência renal crônica), a criança pode se beneficiar do tratamento com GH.

  • Desnutrição crônica, raquitismo, doenças crônicas e consumptivas tais como: doenças respiratórias, insuficiência renal, anemia falciforme grave, infecções de repetição, entre outras.
  • Doenças mal-absortivas (ex. doença celíaca), doenças inflamatórias que requerem o uso crônico de corticóides (Ex. asma, lúpus, artrite reumatóide juvenil, etc.).

3) Causas Hormonais:

  • Deficiência do hormônio de crescimento (DGH)
  • Hipotireoidismo (deficiência dos hormônios tireoideanos)
  • Atraso puberal (hipogonadismo)
  • Puberdade Precoce (parada precoce do crescimento)
  • Hipercortisolismo (excesso de corticoide): doença de Cushing, uso prolongado e em altas doses de corticóides.

4) Algumas Síndromes Genéticas:

  • Síndromes de Down, de Turner,  de Prader-Willi, Silver-Russel, de Noonan, acondroplasia e outras displasias ósseas.

5) Baixa Estatura Idiopática:

  • é quando não existe doença e não descobrimos a causa da baixa estatura. São crianças com estatura abaixo do esperado, previsão de estatura final abaixo da estatura-alvo, porém com todos os exames normais e sem causa/ doença aparente.
  • Nos Estados Unidos, esta é uma das indicações de uso do GH. Embora em doses maiores, algumas crianças mostram ganho em altura com GH. No entanto, essa indicação é discutível e não-aprovada em vários outros países, inclusive no Brasil.

QUANDO USAR O GH PARA CRESCER? (click aqui)